Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Musa da Acadêmicos do Tatuapé, Renata Spallicci fala sobre rotina pesada de treinos e mostra que está com tudo em cima para os desfiles, sem precisar de truques para manter bumbum e pernas firmes para sambar

Estamos a poucos dias do Carnaval e os ensaios técnicos no Anhembi seguem a todo vapor. Impossível, no entanto, não notar durante o vai-vem das escolas as belas mulheres que vem a frente na avenida, com muita beleza, samba no pé e corpos à mostra.

A musa da Acadêmicos do Tatuapé Renata Spallicci revela que tem treinado bastante e intensificado a malhação para chegar com tudo em cima na avenida e não precisar recorrer a truques para esconder flacidez: “Tenho treinado muito pesado mesmo por causa do samba. Treino para não depender de truques para disfarçar flacidez na avenida. Sambar é cruel para chacoalhar o corpo e deixa muito evidente tudo que estiver flácido. To mantendo o carboidrato alto para dar mais densidade muscular e força adicional para os membros inferiores”. 

Durante o carnaval, muitas musas recorrem a truques para disfarçar flacidez e celulites. Renata usou no último ensaio uma fantasia que deixou em evidência seu corpo, e trouxe bastante transparência. Questionada sobre o “segredo" pra ficar com tudo em cima e se usou alguma meia, Renata revela: “Não usei nada para firmar pernas e bumbum, não foi preciso. Para a transparência usamos uma telinha por baixo, e colocamos esparadrapo no bico do seio e maquiagem para tapar completamente, pois não podem ficar a mostra. Usei spray de glitter para brilhar muito, e só. Realmente os treinos tem valido a pena”. 

No ensaio técnico deste fim de semana, Renata veio como uma Guerreira Marinha, trazendo a força, o encanto e os mistérios marinhos o figurino remete a seres aquáticos com barbatanas cores marcantes e o tritão do Rei Netuno.

 “A escola estava com uma energia absurda. Entramos para mostrar que vamos batalhar como “Bravos Guerreiros”, como diz nosso samba enredo, para ganhar o Tricampeonato. A corte da escola estava super unida e conectada e a bateria com uma garra absurda. Toda a escola e comunidade como uma grande família cantando o samba enredo bravamente”, conclui.

MF Press Global

Clique nas fotos para ampliar

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios