Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Pixabay

Quase todo o país parou com a chegada do novo coronavírus no Brasil. A doença está se espalhando rapidamente pelo mundo e, para retardar a transmissão, muitos governos estão instaurando um sistema de quarentena e fechando fronteiras de diversas nações.

Não à toa, o turismo foi diretamente afetado com a rápida disseminação do Covid-19. Diversas companhias aéreas cancelaram seus voos - inclusive por ordem do governo - e quem ainda tem suas passagens garantidas está na dúvida se deve, de fato, embarcar na viagem.

É realmente um período muito difícil e que exige cuidados, tanto por parte de empresas quanto da população. Mas, para quem já está com a mala feita e com várias peças da moda praia na lista de produtos para comprar, é preciso manter a calma, já que nem tudo está perdido.

Casos para se cancelar

Não se sabe quando a epidemia irá finalmente acabar e as pessoas poderão circular normalmente de novo. Porém, a perspectiva de estudiosos é que, pelo menos até o meio do ano, a situação não apresentará grandes mudanças.

Por isso, para todos que tinham viagens planejadas para até maio - que não podem ser adiadas para outro momento -, o mais fácil é optar pelo cancelamento. Em muitos casos, inclusive, a própria companhia aérea está realizando essa operação, seguindo recomendações oficiais.

No cenário em que a empresa cancela a viagem, o cliente pode receber o dinheiro integralmente de volta ou optar pelo reajuste da data, se essa opção for oferecida.

Como o contexto do Covid-19 obrigou muitas pessoas a reajustarem seus planos de viagem, as companhias estão adaptando suas regras. Pedidos de cancelamentos, que poderiam custar quase o preço da própria passagem, estão sendo reconsiderados.

Por isso, vale muito a pena entrar em contato com a empresa para saber qual funcionamento está sendo adotado nesse momento de crise.

Vale a pena adiar a viagem?

Muitos tinham viagens nacionais programadas para o começo do ano e planos de conhecer algumas das mais belas praias brasileiras. Mas, atualmente, há apreensão com a imprevisibilidade do cenário e muitas dúvidas se a viagem irá ser realizada ou não.

Porém, para quem está com os biquínis na mala, ainda há esperança. Viagens dentro do país possivelmente serão retomadas ao longo do ano. Por isso, se há a possibilidade de reagendar o passeio, organizando a disponibilidade de todos os passageiros, vale a pena apostar nessa alternativa.

Como dito anteriormente, não se sabe exatamente quando será seguro transitar pelo país, mas as observações indicam que viagens marcadas para depois de agosto têm maiores chances de serem realizadas.

Por outro lado, abril e maio provavelmente estão fora de cogitação - tanto pelo risco da própria companhia cancelar a viagem, quanto pelo perigo de contrair o novo coronavírus em um passeio como esse.

Meses como junho e julho ainda estão incertos, portanto, quem tem viagem marcada para esse período, o recomendado é esperar um pouco antes de tomar uma decisão.

Porém, adiar a viagem pode ser uma medida insuficiente para alguns destinos específicos. A Europa, principalmente a Itália e a Espanha, está enfrentando muitas dificuldades por causa do Covid-19.

Além de recomendações extremas - como isolar a população, com pagamento de multa pra quem desobedecer -, as fronteiras permanecerão fechadas por algum tempo.

Dessa maneira, pode ser mais benéfico para os passageiros que tinham planos de visitar algum desses locais, cancelar a viagem.

Como mencionado anteriormente, o cancelamento está sendo uma alternativa mais barata do que é de costume, pelo cenário emergencial causado pelo vírus. Assim, recuperar o dinheiro e programar a viagem no futuro, quando a situação se acalmar pode ser uma alternativa mais interessante - já que é difícil prever se isso acontecerá ainda em 2020.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios