Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.


Reitor falou sobre a história dos 100 anos da UFPR

Claudio Stringari/Asimp

Dia 19 de dezembro de 2012, a Universidade Federal do Paraná (UFPR) completa 100 anos. Por ser um feito histórico dos mais marcantes do estado para o desenvolvimento do Brasil, a data deverá ser lembrada nos principais vestibulares do Paraná, acredita o diretor do Pré-Vestibular Acesso, Ivo Lessa Filho.

Por isso, o tema foi abordado em todas as disciplinas no grande aulão que aconteceu no último sábado, no Centro de Convenções de Curitiba, que reuniu mais de 1.500 vestibulandos. O evento, intitulado 2º Encontro Cultural Acesso 2012, contou com a participação do reitor da UFPR, Zaki Akel Sobrinho, que contou toda a trajetória da universidade mais antiga do Brasil e falou sobre o que espera da instituição e dos alunos que nela ingressam.

O encontro contou com aulas de biologia, história, química, física e produção de texto. Os principais fatos ocorridos em 1912 foram relatados e analisados pelo professor de história, Julio Cesar Siqueira. No mundo, destaque para o naufrágio do Titanic, em 14 de abril. O Paraná participava da Guerra do Contestado, com 7 mil soldados, contra 10 mil sertantejos de Santa Catarina. O Brasil, presidido por Hermes da Fonseca, ganhava sua primeira universidade, no Paraná, que foi inaugurada como instituição privada - tornando-se pública e gratuita apenas na década de 50.

Já o professor Marcos Monteiro trouxe aos vestibulandos uma análise da função da universidade na sociedade mundial - tema que, segundo ele, é um grande candidato a aparecer nas provas discursivas e na própria redação da UFPR. Monteiro contou que, em 1.200, na Europa, a universidade tinha a função de produzir conhecimento. No século XIX, surgem as universidades norte-americanas, com a função de produzir tecnologia. Já no Brasil, as universidades surgiram para promover a inclusão social.

O professor Augusto Adolfo Borba, de biologia, prestou uma homenagem ao médico, professor e pesquisador, Ennio Luz, que lecionou na UFPR até os 85 anos de idade, quando faleceu, no ano passado. Ennio Luz foi um dos maiores estudiosos da esquistossomose - grande aposta de tema do professor para as principais provas de vestibular do país, já que neste ano foi anunciada a vacina para a esquistossomose desenvolvida inteiramente no Brasil - a primeira vacina no mundo contra uma doença causada por um parasita.

Saiba mais sobre a história da UFPR

Dalton Trevisan, escritor formado em Direito, Jaime Lerner, ex-governador que ingressou no curso de Arquitetura, e Teresa Urban, militante que cursou jornalismo. Esses são apenas alguns nomes de destaque nacional que passaram pela universidade mais antiga do Brasil.

A criação da instituição data de 1912, mas a história da UFPR começou dez anos antes, quando Rocha Pombo lançou a pedra fundamental na Praça Ouvidor Pardinho. O projeto não foi levado adiante por conta da instabilidade da região, que estava em meio à Revolução Federalista do Sul do Brasil, conflito gerado por divergências entre as elites federalistas e republicanas.

Dez anos mais tarde, época na qual a economia paranaense era próspera graças à produção de erva-mate, lideranças políticas se manifestaram a favor da universidade, pela carência de intelectuais que ocupassem cargos de destaque na região. O projeto teve continuidade nas mãos de Victor Ferreira do Amaral e Silva, que a criou efetivamente em 19 de dezembro de 1912. No ano seguinte, a instituição começou a funcionar, como entidade particular, oferecendo cursos nas áreas de saúde, ciências jurídicas e sociais.

A recessão econômica gerada pela Primeira Guerra Mundial foi o primeiro grande entrave para a manutenção da UFPR. O Governo Federal era contra iniciativas independentes dos estados e, então, foi anunciada uma lei que determinava o fechamento das universidades. Para driblar a ordem federal, a UFPR foi dividida em várias faculdades, que só foram reunidas novamente na década de 50, contando com o apoio popular. Foi também nos anos 50 que a universidade se tornou federalizada e, portanto, uma instituição pública e gratuita.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.