Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Espetáculo “O Mikado” conta história de amor no Japão; montagem terá nove solistas e coral com 45 integrantes do Coro UEL

Marian Trigueiros/Asimp
 
Em 2012, o Coro da Universidade Estadual de Londrina (UEL) completou 40 anos de história em Londrina, e, durante essa trajetória, impulsionou o desenvolvimento musical de toda a cidade e região. Em comemoração à data, o Coro UEL - em parceria com a Universidade Estadual de Maringá (UEM) e Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap) - decidiu lançar a montagem da Ópera “O Mikado” como forma de presentear a cidade e levar à plateia uma belíssima obra vocal. Serão quatro apresentações em setembro em três cidades: Ibiporã no dia 20, Maringá no dia 21 e Londrina no dia 22. O espetáculo contará com nove solistas e coral com 45 integrantes do Coro UEL.
 
"O Mikado" é a mais conhecida e encenada ópera, das quatorze criadas pelos autores ingleses Arthur Sullivan (música) e W.S. Gilbert (libreto) que, em cada obra, criavam um universo fantasioso e cheio de absurdos, tendo desfechos com peripécias divertidas. A ópera, portanto, é uma montagem cômica em dois atos, para solistas e coros feminino, masculino e misto, cuja história de amor se passa no Japão. A regência é de Regina Balan e Paloma Scucuglia, da Divisão de Música da UEL. A parceria com as instituiçoes de ensino possibilitou ainda a assessoria vocal dos renomados professores John de Castro (UEM) e Denise Sartori (Embap) e solistas experientes de Londrina, Maringá e Curitiba.
 
O enredo da ópera se desenrola a partir da proibição, por parte do Mikado, o Imperador do Japão, do ato de flertar. Em Titipu, cidade fictícia do Japão, flertar era um crime grave, sujeito à pena capital. Em meio a essa proibição, nasce o amor entre Nanki-Poo, um errante menestrel, e Yum-Yum, uma linda jovem, já comprometida a se casar com Ko-Ko, nada menos que o Grande Executor daqueles que não obedecessem a lei de não flertar. Partindo para um desfecho inesperado, “O Mikado” é uma ópera leve e engraçada, conduzida por belíssima música, tanto instrumental como para seus coros e solos, na qual a linha melódica é muito alegre e agradável para públicos de todas as idades.
 
O espetáculo não tem fins lucrativos; cenário e figurino foram produzidos com recursos próprios, patrocínios e apoio de empresas. Como forma de ajudar no custeio da montagem, a organização também está oferecendo o “patrocínio casado”, com a venda de lotes de ingressos (20, 50 e 100 unidades), os quais as empresas podem adquirir para contribuir com o espetáculo, a cultura da cidade, ao mesmo tempo em que poderá presentear seus funcionários, clientes ou fornecedores.
 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios