Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Espetáculo “O Mikado” conta história de amor no Japão; montagem terá nove solistas e coral com 45 integrantes do Coro UEL

Marian Trigueiros/Asimp
 
Em 2012, o Coro da Universidade Estadual de Londrina (UEL) completou 40 anos de história em Londrina, e, durante essa trajetória, impulsionou o desenvolvimento musical de toda a cidade e região. Em comemoração à data, o Coro UEL - em parceria com a Universidade Estadual de Maringá (UEM) e Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap) - decidiu lançar a montagem da Ópera “O Mikado” como forma de presentear a cidade e levar à plateia uma belíssima obra vocal. Serão quatro apresentações em setembro em três cidades: Ibiporã no dia 20, Maringá no dia 21 e Londrina no dia 22. O espetáculo contará com nove solistas e coral com 45 integrantes do Coro UEL.
 
"O Mikado" é a mais conhecida e encenada ópera, das quatorze criadas pelos autores ingleses Arthur Sullivan (música) e W.S. Gilbert (libreto) que, em cada obra, criavam um universo fantasioso e cheio de absurdos, tendo desfechos com peripécias divertidas. A ópera, portanto, é uma montagem cômica em dois atos, para solistas e coros feminino, masculino e misto, cuja história de amor se passa no Japão. A regência é de Regina Balan e Paloma Scucuglia, da Divisão de Música da UEL. A parceria com as instituiçoes de ensino possibilitou ainda a assessoria vocal dos renomados professores John de Castro (UEM) e Denise Sartori (Embap) e solistas experientes de Londrina, Maringá e Curitiba.
 
O enredo da ópera se desenrola a partir da proibição, por parte do Mikado, o Imperador do Japão, do ato de flertar. Em Titipu, cidade fictícia do Japão, flertar era um crime grave, sujeito à pena capital. Em meio a essa proibição, nasce o amor entre Nanki-Poo, um errante menestrel, e Yum-Yum, uma linda jovem, já comprometida a se casar com Ko-Ko, nada menos que o Grande Executor daqueles que não obedecessem a lei de não flertar. Partindo para um desfecho inesperado, “O Mikado” é uma ópera leve e engraçada, conduzida por belíssima música, tanto instrumental como para seus coros e solos, na qual a linha melódica é muito alegre e agradável para públicos de todas as idades.
 
O espetáculo não tem fins lucrativos; cenário e figurino foram produzidos com recursos próprios, patrocínios e apoio de empresas. Como forma de ajudar no custeio da montagem, a organização também está oferecendo o “patrocínio casado”, com a venda de lotes de ingressos (20, 50 e 100 unidades), os quais as empresas podem adquirir para contribuir com o espetáculo, a cultura da cidade, ao mesmo tempo em que poderá presentear seus funcionários, clientes ou fornecedores.
 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.