Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Com origem na Idade Média, o culto ao Espírito Santo transforma-se em grande evento em cinquenta cidades brasileiras. Pirenópolis (GO) deve receber 20 mil pessoas por dia durante a celebração

Os festejos do Divino Espírito Santo, uma das mais expressivas manifestações populares e religiosas da cultura brasileira, estão movimentando importantes destinos turísticos de todo o Brasil. A data da celebração não é fixa, em algumas cidades duras meses, mas o marco tradicional da festa, introduzida no Brasil com a colonização portuguesa, se inicia cinquenta dias depois do domingo de Páscoa.

A celebração do Espírito Santo tem variações em torno de uma estrutura básica: a Folia, a Coroação de um imperador e o Império do Divino, símbolos principais do ritual, de acordo com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A história deste culto é tão longa como a lista de municípios brasileiros que a transforma em um evento que mistura o sagrado ao profano, incorporando rituais religiosos e expressões culturais que mobilizam turistas de todos os cantos do país.

Um exemplo emblemático é o da cidade goiana de Pirenópolis, distante 130 Km de Brasília, onde a festa do Divino acontece desde 1.819. Hoje, a celebração, considerada a maior e a mais importante do país, ostenta o título de Patrimônio Cultural Imaterial pelo (Iphan). É a quinta vez que que a festa acontece depois do reconhecimento público.

Com cerca de 60 dias de duração, a festa de Pirenópolis terá o seu ápice de 15 a 24 de maio, com a realização das Cavalhadas, uma encenação da luta coreográfica entre mouros e cristãos, que atrai turistas de várias partes do Brasil. “Desde o tombamento em 2010, o fluxo de turistas tem aumentado ano a ano”, disse o secretário de Turismo da cidade, Sérgio Rady. Para este ano, a projeção é que 20 mil pessoas por dia passem pelo Cavalhódromo, espaço onde acontece a encenação.

Na histórica Paraty, litoral sul do Rio de Janeiro, não é diferente. Igualmente registrada como patrimônio cultural, a Festa do Divino conta com celebrações religiosas que expõem ao visitante os principais atrativos da cidade, como a Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios e a Praça da Matriz. Missas, ladainhas, procissões seguidas da distribuição de comida e vinho reforçam a tradição local.

Tem Festa do Divino de norte a sul do Brasil. Na Amazônia, tem até celebração fluvial como a que ocorre em Alta Floresta (RO). Em Minas Gerais, estado de forte tradição religiosa, são, pelo menos, 41 municípios a realizar as comemorações somente no mês de maio. Entre elas, destacam-se ícones do turismo cultural mineiro como Diamantina, São João del-Rei, Sabará e Mariana.

Outras celebrações tradicionais também poderão figurar na lista de patrimônio Cultural Imaterial do país.  São elas as Festa do Divino da comunidade de Marmelada, no Piauí, e a Romaria de Carros de Bois da Festa do Divino Pai Eterno, em Trindade, interior de Goiás. Ambas estão com o processo de registro em andamento no IPHAN.

Asimp/MTur

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.