Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em 2012, a cada hora dez mulheres foram vítimas de algum tipo de violência no Brasil

Dayane Hirt

A presidenta Dilma Rousseff anunciou, ontem (13), o programa “Mulher, viver sem violência”. Coordenado pelas ministras Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Eleonora Menicucci (Política para as Mulheres), tem como uma das principais ações a instalação de centros especializados integrados de atendimento às mulheres em situação de violência. A proposta é ofertar, em um único lugar, unidade da delegacia da mulher, varas ou juizados, Ministério Público e Defensoria Pública e equipe multidisciplinar de atendimento psicossocial. No centro também serão disponibilizadas orientação sobre emprego e renda, além de espaço de convivência e recreação para crianças.

O programa prevê também a criação de seis novos núcleos de atendimento às mulheres nas fronteiras – Brasiléia (AC), Corumbá e Ponta Porã (MS), Santana do Livramento e Jaguarão (RS) e Bonfim (RR) - e a ampliação de outras três unidades já existentes – Foz do Iguaçu (PR), Pacaraima (RR) e Oiapoque (AP). O objetivo é combater o tráfico internacional de mulheres. Além disso, o “Mulher, viver sem violência” também realizará campanhas continuadas de conscientização, formação e informação para mudança de comportamento.

Segundo a presidenta Dilma, este é o governo que mais investiu em políticas públicas voltadas para as mulheres, entretanto, ainda é preciso fazer muito mais para combater a violência contra a mulher. "Queremos que o País se aproxime cada vez mais do dia em que o nosso País, a nossa sociedade, e os governos tenham tolerância zero com a violência praticada contra a mulher. Queremos que esse país seja um país com tolerância abaixo de zero, porque esse crime envergonha a humanidade” afirmou a presidenta."Eu sei que nenhum governo sozinho é capaz de dar conta dessa luta, mas nos esforçamos para fazer a parte do governo federa", completou. Ao todo, as ações terão investimento federal de R$ 265 milhões.

A preocupação do governo não é à toa. “Dados da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) mostram que em 2012, foram computados 732,4 mil registros na Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180, sendo 88,6 mil relatos de violência, ou que significa dez a cada hora. Segundo o balanço, o risco de morte chega a 50%, de espancamento a 39% e de estupro a 2%. Dentre as unidades federativas o Distrito Federal está na liderança, seguido por Pará e Bahia”, alerta Gleisi Hoffmann.

Segundo a ministra, Curitiba foi uma das capitais que já manifestou interesse em ter um dos centros integrados. “O objetivo do governo é que cada capital abrigue um desses centros integrados, mas isso depende de parceria com Estado e município”, explica a ministra Gleisi. No caso do Paraná, a Prefeitura de Curitiba, por meio da Secretaria da Mulher, já se manifestou junto ao governo federal para abrigar uma unidade, que vai atender a todo o Estado.

Atos

Durante o evento, a presidenta Dilma assinou os decretos do Plano Nacional de Políticas para as Mulheres (PNPM) e o de atendimento humanizado e custódia de provas. Também foram assinados um acordo de cooperação técnica com o Judiciário, Defensoria Pública e Ministério Público; um termo de adesão para os Estados, que terão 60 dias para aderir à ação; e uma portaria que estabelece o grupo executivo interministerial, que tratará do fluxo de serviços e do protocolo de procedimentos e serviços, bem como do monitoramento das ações. Houve, ainda, a assinatura de um acordo de cooperação Jovens e Meninas Fazendo Ciência e a entrega do Prêmio Mulheres Rurais que Produzem o Brasil Sustentável.

O “Viver sem Violência” soma-se a outras iniciativas já lançadas pela presidenta, que visam consolidar as políticas públicas voltadas para a mulher. “O governo federal tem trabalhado com afinco na criação e aprimoramento dessas políticas públicas. Já lançamos o Rede Cegonha, que garante atenção integral à mãe e ao bebê; estamos ampliando o número de creches; aumentando os investimentos para prevenir e enfrentar o câncer de mama e de colo de útero. Há ainda o programa Trabalho e Empreendedorismo da Mulher e o Brasil Carinhoso”, enumera a ministra Gleisi. “Com isso, nosso país vai caminhando em busca da igualdade e do reparo às injustiças com essa mulher que já esteve à margem da sociedade”, completa a chefe da Casa Civil.

Luta em prol das mulheres

Gleisi Hoffmann é autora do Projeto de Lei do Senado (PLS 49/2011) que impede a suspensão de processos que tratem de crimes cometidos com violência doméstica ou familiar contra a mulher e dá prioridade a essas ações nos Juizados Especiais Cíveis e Criminais. A medida foi aprovada na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado, em abril de 2011, e tramita na Câmara dos Deputados.

Segundo a ministra, o objetivo foi tornar mais eficazes as medidas de proteção à mulher vítima de violência doméstica e reforçar que o benefício, instituído pela Lei dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais (Lei 9.099/1995), não pode ser aplicado em relação às situações de que trata a Lei Maria da Penha.

 “Foi justamente contra esse entendimento que apresentamos o projeto, porque ele pretende clarificar, na própria Lei dos Juizados Especiais, a impossibilidade de suspensão de penas privativas de liberdade aplicadas no âmbito da Lei Maria da Penha”, explica.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.