Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Amélia Fernandes Gonzalez/Asimp/PMS/SP
 
Pombas brancas, pássaros, raposas, lobos são atributos que acompanham a imagem de São Francisco de Assis, protetor dos animais e padroeiro da ecologia. Várias representações do santo podem ser vistas na Primeira Exposição de Imagens de São Francisco, que o Santuário de Santo Antônio do Valongo (Largo Marquês de Monte Alegre s/nº) inaugurou na terça-feira (01/10) e segue até domingo (06/10), em comemoração ao Dia de São Francisco e Dia Mundial dos Animais, que acontecem hoje (04/10).
 
Até um simples cabo de vassoura foi usado como material das peças, em sua maioria esculpidas em madeira de lei, resina, argila, tecido, parafina, variando de 10 cm até uma de tamanho natural, de 1,80 m, cedida pelo Museu de Arte Sacra de Santos. São mais de 50 imagens, algumas do século 18, oriundas de várias partes do mundo, como da cidade italiana de Assis, onde nasceu São Francisco, fundador da Ordem Franciscana, e Santa Clara, que criou o braço feminino, a Ordem das Clarissas. “Nosso principal objetivo é evangelizar”, explicou frei Rozântimo Antunes Costa, pároco do santuário. Ele lembra que São Francisco é o santo mais amado em todas as culturas e raças. “Tanto que os católicos o chamam de o segundo Cristo.”
 
Hoje (04/10), no Santuário do Valongo haverá bênção de cachorros, gatos, aves, entre outros, às 10h, 12h, 15h e 17h. A Polícia Militar já confirmou a presença de seus cães para a tradicional celebração. A programação litúrgica da Festa de São Francisco será encerrada no domingo (06/10), com missa às 8h e às 19h.
 
São Francisco e o lobo
 
Quando São Francisco morava na cidade Gubbio, apareceu um lobo terrível e feroz, que não só devorava os animais mas também atacava os homens, deixando-os com medo porque várias vezes chegava bem próximo à cidade.
 
Movido pela compaixão a esta gente, o santo resolveu enfrentar a fera.

Caminhou resolutamente para onde estava o canídeo e, na presença de muitas pessoas, diante do animal que avançara em sua direção com a boca aberta, o frade fez o sinal da cruz, dizendo-lhe: "Vem aqui irmão lobo, eu te ordeno, da parte do Nosso Criador Jesus Cristo, que não causes dano a ninguém e a nada”. Apenas isto e a fera fechou a boca, aproximou-se mansamente e deitando aos pés de São Francisco.
 
O santo continuou: "Irmão lobo, tu estás trazendo muitos danos e medo a este povoado, maltratando e matando criaturas de Deus sem a permissão Dele. Não estás contente em matar outros animais e bestas e ainda tens o atrevimento de dar morte e causar danos ao homem , imagem de seu Deus? Por tudo isto estás merecendo a forca de ladrão e homicida malvado. Quero, irmão lobo, fazer as pazes contigo e o povo desta cidade. Assim, pára de perseguir os homens e seus animais”.
 
Depois destas palavras a fera baixou a cabeça e São Francisco disse: "Vou fazer que o povo te dê o que necessitas, de modo que não passes fome, mas não faças nenhum mal nem ao homem nem a outro animal. Prometes” ? Inclinando a cabeça, o canídeo mostrou entender o que dizia o santo, que concluiu: “Vem comigo”.
O lobo levantou a pata dianteira e colocou-a na mão de São Francisco.

Daquela data em diante, o animal ia de porta em porta e todos o tratavam como a um cachorro de estimação, davam-lhe comida e abrigo. E nunca mais causou mal a essa gente. Viveu mansamente e morreu de velho, nessa cidade que guarda como lembrança o milagre do santo de Assis. (Fonte: www.cademeusanto.com.br)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios