Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Pinhão com café. A combinação pode não ser comum, mas é das melhores, assim como as forças somadas de Curitiba, a capital, e Londrina, a maior cidade do interior do Paraná, importante centro econômico, especialmente na produção agrícola. Cada uma desenvolveu uma rota turística aproveitando o mote da culinária local.

A Rota do Café foi criada com apoio do Sebrae há 10 anos para ampliar o leque de atrativos da região Norte do Paraná, até então centralizados nos eventos e nos negócios. “Investimos no turismo de experiência”, conta a diretora de Turismo da Prefeitura de Londrina, Maitê Uhlmann. O que significa apropriar-se do tema do café em vários aspectos, desde a degustação e passeios por fazendas produtoras, até o viés científico e tecnológico. O Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), por exemplo, desenvolve importantes pesquisas no setor, assim como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

O aroma do café especial vem das fazendas dedicadas ao resgate da tradição e da cultura cafeeira do Norte do Paraná, que viveu tempos áureos até 1975, quando as plantações foram dizimadas pela chamada geada negra. Na década de 60, quando o Brasil já era o maior produtor de café do mundo, internamente era o Paraná que garantia o título. Hoje, o Estado de Minas Gerais é responsável por 53% da produção nacional.

A soja e o trigo substituíram a maior parte das plantações de café, mas a região deu a volta por cima optando pela qualidade em produções menores e mais especiais. Hoje é uma alternativa importante para a agricultura familiar. E está se revelando uma fonte de renda para antigas fazendas desativadas ou ainda em produção, restaurantes rurais, labirintos formados por pés de café, pousadas e outros equipamentos desenvolvidos para encantar o turista.

Atrativos

As fazendas que recebem visitantes se espalham por nove municípios num raio de 200 quilômetros a partir de Londrina. São mais de 30 atrações. Entre elas estão a Monte Bello, em Ribeirão Claro, e a Palmeira, onde se descobre como o café é cultivado e pode-se aprender como fazer e usufruir de diferentes tipos da bebida. A experiência é única, e não se resume ao café – inclui trilhas ecológicas, banhos de cachoeira e observação de pássaros. Para os mais envolvidos é possível até participar da colheita.

Nas cidades, museus revelam o passado enquanto cafeterias gourmet rendem homenagem ao ouro verde, como já foi chamado o café em Londrina, conhecida em tempos áureos como a capital mundial do café. De surpresa em surpresa, a Rota do Café trabalha na recuperação de importante período da história econômica do Paraná e do Brasil, sem descuidar da preservação do meio ambiente. Afinal, é a base que a sustenta.

Desenvolvimento Sustentável

No Estado, o turismo é uma prioridade da atual gestão, por ser um importante pilar de desenvolvimento econômico. “Conheça, viva, surpreenda-se” é o mote da campanha publicitária criada pelo Governo do Paraná para incentivar o crescimento do setor e fomentar a economia local. Os atrativos e informações turísticas de municípios paranaenses estão disponíveis em um portal exclusivo (http://www.viajeparana.com).

“O turismo, nesta gestão, é trabalhado como uma estratégia para o desenvolvimento econômico do Paraná, para torná-lo mais competitivo e mais justo para a população”, explica o presidente da Paraná Turismo, João Jacob Mehl.

Grande Curitiba

No caso de Curitiba, o programa de incentivo ao turismo informa que “a influência dos imigrantes europeus, que ainda hoje mantêm suas raízes aqui e que deram de presente para a metrópole uma bela diversidade cultural e gastronômica, pode ser notada em todos os cantos da cidade, com restaurantes típicos, casas de artesanato, bosques, praças e parques”.

Mas é na Rota do Pinhão que florescem passeios encantadores, que misturam aventura, história, artesanato, atividades rurais, cavalgadas e pesque e pague, além de muita gastronomia, da melhor qualidade. Há sempre o que fazer em um dos municípios da Região Metropolitana de Curitiba. E se o passeio for no inverno, um pinhão, assado ou cozido, sempre atrai uma boa roda de conversa recheada de histórias locais.

Colombo e São José dos Pinhais, por exemplo, oferecem roteiros do vinho, nos quais é possível acompanhar o antigo processo de fabricação da bebida, sem esquecer da degustação tanto do saboroso líquido como de frios, queijos e embutidos feitos na região de colonização italiana. Em Campina Grande do Sul, os passeios incluem o Parque Ari Coutinho Bandeira, onde está a única represa da região em que é possível pescar e fazer passeios náuticos – a Represa Capivari.

A natureza, com suas grutas e paisagens deslumbrantes, está no centro do turismo rural e de aventura em quase todos os municípios da Região Metropolitana de Curitiba, com inúmeras opções de hospedagem em hotéis fazenda e chácaras de lazer. Em Quatro Barras, Piraquara, Araucária e Rio Branco do Sul, os roteiros de turismo rural sempre se completam com fartos cafés coloniais, quase sempre em propriedades rurais familiares, onde pode-se provar e comprar todo tipo de produtos caseiros.

Em Campo Magro, o destaque é o Observatório Astronômico do Paraná, a uma altitude de 1.062 metros acima do nível do mar, área escolhida pela localização e baixa poluição. Já em Cerro Azul, o ecoturismo garante muita adrenalina nas descidas de rafting no Rio Ribeira, em caminhadas rurais e banhos de cachoeira. E nada como baixar a adrenalina em Campo do Tenente, visitando o Mosteiro Trapista, que além de muita paz e retiro espiritual oferece biscoitos deliciosos feitos pelos próprios monges.

Mas é na Lapa que história e turismo se encontram em harmonia, no centro histórico com 14 quarteirões tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Ali os roteiros rurais e cavalgadas se somam à história do Estado contada pelo casario do século 18, cortado ainda por ruas de pedras por onde passaram os tropeiros que seguiam a rota Sorocaba-Viamão.

A Lapa foi decisiva na Revolução Federalista, quando resistiu durante quase um mês no chamado Cerco da Lapa, impedindo que as tropas que pretendiam derrubar a República continuassem seu caminho rumo à capital brasileira. A região também foi palco da Guerra do Contestado, que opôs os caboclos liderados pelo monge João Maria e as tropas do governo. O “Monge da Lapa” ainda é reverenciado na gruta que leva seu nome, cuja água é considerada milagrosa.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.