Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ministro defende que o setor pode ajudar o país a enfrentar a crise no principal fórum brasileiro de debates sobre viagens

O ano olímpico foi apontado, durante o discurso do ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, no 14º Fórum Panrotas, como uma oportunidade única para o setor de viagens ajudar no desenvolvimento econômico do Brasil. "É agora ou agora. Não existirá outro momento como o que estamos vivendo. Tenho trabalhado para sensibilizar o governo sobre a nossa importância", comentou. Henrique Alves destacou que é preciso incluir o turismo na agenda estratégica do país para o setor desenvolver todo o potencial que possui num destino como o Brasil, apontado como o número um do mundo em atrativos naturais e oito em recursos culturais pelo Fórum Econômico Mundial.

Os empresários participantes reconheceram o empenho de Henrique Eduardo Alves para reduzir o Imposto de Renda Retido na Fonte das remessas para o exterior de 25% para 6%. "Temos plena convicção de que se não fosse pelo empenho do ministro não teríamos conseguido baixar a alíquota", afirmou Marco Ferraz, presidente da Associação Brasileira dos Cruzeiros Marítimos (Clia-Abremar).

Ferraz pediu o apoio do ministro para resolver algumas questões que têm impactado negativamente na atração de cruzeiros marítimos para o litoral brasileiro, como o custo operacional e infraestrutura portuária. "Em 2010, tínhamos 20 navios na costa brasileira. Para a temporada de 2016/2017 só temos cinco navios confirmados. Ou seja, de 470 navios em operação no mundo, só cinco vêm para o Brasil. Precisamos reverter este quadro", comentou.

Entre os gargalos apontados estão questões tributárias, como a alíquota do ICMS que incide sobre o combustível das embarcações, os custos portuários e trabalhistas. O ministro Henrique Eduardo Alves se dispôs a tratar do assunto com os colegas de Esplanada, Hélder Barbalho, ministro dos Portos, e Miguel Rossetto, ministro do Trabalho e Emprego, bem como com os governadores do Nordeste.

Como contrapartida, o ministro fez um desafio público ao presidente da Abremar: "Quero um navio permanentemente na costa brasileira, principalmente no Nordeste o ano inteiro", afirmou. Marco Ferraz vai levar a demanda para os donos dos navios.

Também entraram na pauta de debates a criação de áreas especiais de interesse turístico, locais com o processo de licenciamento e oferta de crédito diferenciados. "A iniciativa privada já faz um excelente trabalho. Se criarmos um ambiente favorável ao investimento, tenho certeza de que o turismo pode contribuir muito mais para o Brasil", comentou o ministro.

Participaram, também, do debate os presidentes da Abav, Edmar Bull, da Braztoa, Magda Nassar, e o presidente da CVC, Luiz Eduardo Falco.

Asimp/MTur

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.