Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Turismo 18/12/2013  10h11

Uma viagem ao passado no litoral paranaense

A costa do Paraná possui atrações turísticas como prédios históricos do período colonial brasileiro e uma das maiores cachoeiras do estado, Salto Morato, em Guaraqueçaba.

Ilha do Mel

Maria Luiza - NQM Comunicação

O Paraná tem nas Cataratas do Iguaçu o seu cartão postal mais conhecido, mas existem outras atrações para os turistas, principalmente para os amantes de programas culturais e em meio à natureza. Um dos roteiros em que se pode conhecer atrativos desses gêneros é o litoral paranaense. A região reserva belas paisagens e opções de passeio que vão além do tradicional banho de mar ou de caminhadas na areia.

A turismóloga Maricy Rizzato, que trabalha e um dos atrativos da região, explica que o litoral possui grande vocação para o chamado ecoturismo. “A presença de várias unidades de conservação e de importantes remanescentes de áreas naturais tornam a costa leste do Paraná altamente propícia para o turismo ecológico”, explica a profissional. Já a proximidade de grandes centros, como Curitiba, São Paulo e Florianópolis é indicada pela profissional como um fator propulsor do movimento turístico na região.

Com 100 km de extensão, o litoral do Paraná está inserido no maior remanescente contínuo de Mata Atlântica do Brasil e recebe anualmente, entre janeiro e fevereiro, cerca de 1,5 milhão de turistas, segundo dados da Secretaria de Turismo do Paraná. Entre as opções de passeio da região estão as cidades históricas Paranaguá, Antonina e Morretes, além de atrações naturais como a paradisíaca Ilha do Mel, o Parque Nacional do Superagui e uma cachoeira de mais de 100 metros de altura, o Salto Morato, considerado o maior de todo o litoral paranaense.

‘Rainha dos peixes’

Entre as áreas protegidas abertas à visitação destaca-se o ainda pouco explorado turisticamente Parque Nacional do Superagui, localizado em Guaraqueçaba. O nome do Parque, que em tupi-guarani significa ‘rainha dos peixes’ é uma alusão às inúmeras espécies que habitam suas ilhas, como a das Peças e a do Pinheiro. Localizado em Guaraqueçaba, possui 38 km de praias desertas, que podem ser exploradas a pé ou de bicicleta. No Parque é possível observar a revoada de papagaios-de-cara-roxa (Amazona brasiliensis) ao entardecer e também os botos com seus filhotes na bacia do Rio das Peças. O acesso é feito somente por mar, a partir de Paranaguá ou de Guaraqueçaba, numa viagem que pode levar até três horas. Os horários podem ser confirmados com a Associação de Barqueiros do Litoral Norte do Paraná (www.abaline.com.br).

O Salto de mais de 100 metros

O litoral do Paraná possui também belas cachoeiras, situadas no meio da Mata Atlântica, como Salto Morato, a maior da região. A cachoeira empresta seu nome à Reserva Natural Salto Morato, criada e mantida pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, em Guaraqueçaba. É um local apropriado para os turistas que pretendem conhecer de perto a fauna e a flora da Mata Atlântica e também para os praticantes de ‘birdwatching’ (observação de aves) – foram identificadas na Reserva 324 espécies diferentes desses animais. O acesso ao Salto é feito por meio de uma das trilhas da Reserva, devidamente sinalizada, na qual painéis interpretativos trazem informações sobre a biodiversidade local. Além da cachoeira, encantam os turistas um aquário natural de água s cristalinas, onde é possível nadar ao lado de diversas espécies de peixes; e a Figueira do Rio do Engenho, árvore centenária habitada por diversas espécies de plantas e de animais, cujas raízes formam um portal sobre o rio.

Desde que a Reserva foi aberta à visitação pública, em 1996, mais de 100 mil visitantes já estiveram no local. Somente este ano o número ultrapassou 7.000 visitantes. A relações públicas Paula Mariana Gomes Dellaroza foi uma das turistas que visitaram pela primeira vez a Reserva em 2013. Ela se surpreendeu com a beleza do local e considerou uma opção bastante atraente de passeio turístico. “Foi uma experiência diferente e muito energizante. O lugar é lindo e nos tira completamente da rotina, recomendo para quem quer descansar em meio à natureza”, ressalta.

‘A Ilha’

Cercada de mistérios e destino certo dos amantes da natureza, a Ilha do Mel, conhecida simplesmente como ‘a Ilha’ pelos paranaenses, é um dos pontos turísticos de destaque da região. Localizada entre a Baía de Paranaguá e o Oceano Atlântico, a cerca de 30 km da costa, o acesso ao local é feito de barco, a partir de Paranaguá ou de Pontal do Paraná. As saídas e retornos são diários e custam R$ 27 (ida e volta) para saídas a partir de Pontal do Sul, com meia hora de duração para o trajeto. A ilha contém praias com areias brancas e de águas límpidas e três pontos turísticos que a tornam mais bela: o Farol das Conchas, de onde se vislumbra o pôr do sol; a Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres, um monumento arquitetônico com muralhas e canhões; e a Gruta das Encantadas, cerca da de lendas e mistérios e cujo acesso só pode ser feito na maré baixa. A Ilha do Mel faz parte da cidade de Paranaguá.

O Paraná começa aqui

Ponto de chegada dos primeiros colonizadores, Paranaguá é a principal do litoral, reconhecida como o município ‘mãe do Paraná’.  Abriga o Porto de Paranaguá - terminal por onde se escoa a maior parte da safra de grãos do Paraná - e um conjunto arquitetônico que leva o turista a uma viagem pelo século XVII. São casarios, monumentos e igrejas que ainda mantêm as fachadas azulejadas e com paredes caiadas, características típicas das construções do período colonial brasileiro. Entre os prédios, destacam-se as igrejas Nossa Senhora do Rosário, a atual Catedral; a Nossa Senhora das Mercês, reconstruída em 1955 na ilha da Cotinga, de onde se descortina uma bela vista da cidade e da baía de Paranaguá; e a de São Benedito, erguida em 1784 pelos escravos e tombada pelo Patrimônio Histórico Artístico Nacional. O passeio pelo centro histórico pode ser feito a pé pelas ruas e ladeiras ainda calçadas com antigas pedras.

Morretes

O roteiro histórico-cultural pode continuar a apenas 40 km de Paranaguá, nas cidades Morretes e Antonina, dois dos primeiros municípios paranaenses. A primeira delas, ao pé da Serra do Mar, possui opções de passeio como o Circuito Ecológico de Mountain Bike, um roteiro com 21 km de extensão que circunda a cidade, passando por ruínas de usinas de açúcar e pela entrada do pico Marumbi, conjunto formado por oito cumes de altitudes diferentes, onde há várias opções para prática de montanhismo. Além disso, é possível fazer caminhadas à beira do Rio Nhundiaquara, que corta a cidade. O passeio fica completo com a degustação do barreado, prato típico paranaense, feito à base de carne cozida com tempero em panela de barro, cuja tampa é selada com uma mistura de água e farinha. O cozimento é feito por 24 horas e o prato, depois de pronto, é servido com farinha e banana, principal fruta da região.

Em Antonina o conjunto arquitetônico dos prédios e as caminhadas pelas ruas estreitas e calçadas de pedra guardam a história da cidade, levando o turista ao passado, quando a exploração da erva-mate era a principal atividade econômica do município. Uma das atrações é o antigo Casarão, cujas ruínas revelam a fachada de um antigo depósito de erva mate, além do complexo industrial da família Matarazzo, que implantou o primeiro porto particular na cidade e mantinha moinhos de trigo, sal, açúcar e erva mate. Além disso, a cidade realiza anualmente a festa de carnaval, conhecida por ser uma das mais animadas do litoral, com desfile de blocos e escolas de samba.

Como chegar?

O acesso ao litoral do Paraná pode ser feito a partir de Curitiba por meio de trem, carro ou ônibus. De trem, a saída é da Estação Ferroviária em Curitiba com chegada somente a Morretes. De ônibus e carro pode se chegar a Paranaguá, Morretes e Antonina pela rodovia BR-277, que é a principal via de acesso ao litoral. O acesso para a Ilha do Mel pode ser feito de barco a partir de Pontal do Sul ou de Paranaguá e o acesso ao Parque Nacional do Superagui é feito a partir de Guaraqueçaba, por barco. Para chegar à Reserva Natural Salto Morato, é possível seguir por via terrestre, a partir de Curitiba ou indo de barco até Guaraqueçaba, seguindo por terra até a Reserva.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.