Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Tudo indica que chegamos ao ponto máximo da resistência institucional; que qualquer gesto mais extremado poderá conduzir a um patamar de onde não haverá mais volta. E - como em toda crise dessa magnitude - ninguém dotado de algum juízo é capaz de prever com segurança quem seriam os vencedores de uma suposta ruptura e muito menos quais suas consequências para a sociedade e ao cidadão. Existem cenários para todos os gostos, porém nenhum deles dotado de verossimilhança que leve a uma conclusão aceitável. Evidente que com personagens e contexto diferente, o país vive hoje apreensividade similar à de 25 de agosto a 7 de setembro de 1961 (período entre a renúncia de Janio Quadros e a posse de João Goulart) e de 13 a 31 de março de 1964 (o intervalo entre o famoso comício da Central do Brasil, onde Goulart anunciou reformas ousadas, e a sua queda).

Faz bem a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) ao empenhar seu prestigio e força moderadora em busca do posicionamento firme mas não agressivo das entidades dos setores econômico e produtivo pela pacificação e volta da harmonia entre os poderes da República. Para produzir bons resultados e evitar o pior, os líderes do agronegócio, bancos, comércio, construção, indústria e dos diferentes seguimentos do mercado - que têm o que perder  com a crise - precisam sensibilizar os titulares e participantes da estrutura institucional a permanecerem rigorosamente em seus quadrados. Observarem, sem novação, o texto constitucional que define os poderes e estabelecem sua harmonia e independência. E cuidem-se para que posicionamentos ou preferências pessoais não poluam as instituições e as conduzam ao perigoso confronto e ao descrédito.

Como adultos e detentores de poderes que emanam do povo – que pelo voto, quer por nomeação constitucionalmente regulada – os titulares do Legislativo, Executivo e Judiciário, mesmo sendo seres humanos e passíveis de emoções, não podem permitir que sentimentos pessoais – vaidade, ódio, amizades, interesses e outros - balizem suas atitudes quando exercem seu mistér publico. O fazendo, apequenam a instituição que juraram defender, respeitar e fazer evoluir, e prestam um desserviço à Nação. Nenhum titular de poder institucional pode abrir mão da honorabilidade e amplitude de sua investidura. Jamais poderá utilizá-la para criar dificuldades ou impedir que governo, parlamento, judiciário e seus órgãos funcionem e cumpram suas missões da melhor forma.

Em nome da democracia – regime político cabalístico, invocado até por aqueles que governaram de forma autoritária – é preciso baixar a temperatura e normalizar as relações. Se os titulares dos poderes executarem apenas aquilo que a Constituição determina para seus postos, estarão fazendo o melhor para o país e à população. Cada um deve assumir suas responsabilidades e jamais avançar sobre as alheias. Nós, o povo, não aguentamos mais a beligerância permanente e nem o clima eleitoral infindável. Todos os eleitos e os nomeados para funções de Estado têm obrigações a cumprir, como delegação do povo. Uns não devem atrapalhar aos outros. Precisamos da convivência pacífica para, a cada quatro anos, escolhermos com tranquilidade aqueles que queremos sejam nossos representantes no poder. Na democracia há espaço para todos, menos para a guerra institucional... 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.