Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Fonte: unsplash.com / John Schnobrich

Mesmo com a pandemia, o ano tem sido incrível para o comércio eletrônico no Brasil. Segundo dados da Neotrust, empresa de inteligência de mercado focada em e-commerce, o varejo digital teve um crescimento de mais de 70% nos três primeiros meses de 2021.

No entanto, os números não param por aí. O e-commerce no país bateu recorde de vendas, quando falamos dos seis primeiros meses do ano. Foram mais de R$53 bilhões em negócios, com um crescimento de 31% em relação ao mesmo período do ano passado.

Até o fim do ano esses números devem aumentar ainda mais. Principalmente porque as estimativas para a Black Friday e para as festas de fim de ano são ainda maiores, quando comparadas com as do ano passado (que já bateram recordes).

Mas afinal, por que o comércio eletrônico no Brasil não para de crescer?

De acordo com um artigo escrito pelos editores do site especializado em produtos para e-commerce, MonederoSmart, o principal motivo foi a mudança no comportamento do brasileiro. A pandemia do coronavírus trouxe novos hábitos para a maioria da população.

Aqui, estamos falando de trabalho em casa, os conhecidos home offices; das aulas online, através de plataformas de ensino; e principalmente dos novos hábitos de compra da população, os e-commerces.

“A população percebeu que hoje em dia é muito mais fácil, rápido e na maioria das vezes mais barato, comprar qualquer coisa pela internet. O levantamento feito pelo consultoria internacional McKinsey & Company, chamado de ‘Changes after Covid19, Global’ comprova isso. Eles afirmam que a população do Brasil está em quarto lugar no mundo ao adotar novos hábitos de consumo desde o início da pandemia. O principal deles? As compras online”, afirmam os editores do MonederoSmart em uma parte do artigo.

“Os números comprovam! Pelo menos 84% dos brasileiros experimentaram algum tipo de compra online desde o início da pandemia, seja por aplicativo de comida ou em alguma loja virtual. Desses, pelo menos 70% afirmaram que continuarão comprando pela internet, inclusive com uma intensidade maior do que na pandemia”, completam.

E se engana quem pensa que esses hábitos ficaram marcados apenas para compras com produtos de categorias como: moda, entretenimento e tecnologia. Segundo levantamento realizado pela Bain & Company, 76% dos brasileiros fizeram pelo menos uma compra de supermercado online na pandemia. Surpreendente, não é mesmo?

Com um mercado online cada vez mais competitivo, se destaca quem consegue oferecer ao cliente experiências positivas de compra online, como por exemplo:

  • A qualidade dos produtos oferecidos;
  • Um site moderno e com boa usabilidade;
  • Atendimento online para a elucidação de dúvidas;
  • Além de prazos curtos e fiéis para a entrega das mercadorias.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.